|FILME| Lucy (Resenha / Review)

sexta-feira, setembro 12, 2014 1 Comments A+ a-

       
        O potencial da mente humana sendo ativado ao seu máximo por uma droga experimental perigosa e viciante. Certamente esse não é um tempo novo, muitos devem se lembrar do filme “Sem limites”, de Bradley Cooper e mais outros filmes que já devem ter abordado o tema de forma similar. Em Lucy, no entanto, esse tema (já um tanto obscuro) ganha contornos de uma ficção cientifica bastante surreal.
        Mas vamos do inicio. Lucy é interpretada por Scarlett Johansson, é uma jovem estudante que mora na exótica Taiwan. Não sabemos muito sobre a personagem, a não ser que seu pegue-te do momento quer que ela entre num hotel e entregue uma maleta para uma pessoa que está lá dentro. Temos então uma cena de uns 5 minutos, apenas com Richard (o peguete) tentando convencer Lucy até que ele desiste e a algema a maleta, dizendo que só o dono (o cara que está dentro do hotel) tem a chave. Após isso, ela não tem escolha.
        A tarefa poderia ser algo simples, entrar, deixar a maleta e ir mas é um filme então não é bem assim. Lucy se vê obrigada a transportar drogas para um pessoal de aparência perigosa que lembra vagamente a Yakuza (pelas tatuagens). O “vilão” mal fala sua língua mas, como dizem, ameaça a vida é algo universal, principalmente se o ameaçador está lavando o sangue de outra pessoa com água mineral enquanto conversa com você.
        Já com as drogas dentro de si, Lucy se prepara para pegar um voo até Paris. É então que um dos capangas acaba agredindo-a, fazendo com que a droga se rompa dentro de seu corpo. Qualquer outra pessoa teria morrido mas esse estranho acontecimento faz com que Lucy atinja cada vez mais e mais poderes conforme a droga faz efeito.
        Fui assistir Lucy sem ter nenhuma noção do que se tratava, mas logo fiquei intrigada com a premissa do filme. Paralelamente ao super desenvolvimento da protagonista, que veem acompanhado de uma frieza robótica, há trechos de uma palestra do profº Norman, vivido por Morgan Freeman. Sem saber, a jovem é a prova viva das teorias de Norman sobre o potencial do cérebro humano e, logo, o caminho de ambos se cruzam.
        Antes, no entanto, a mocinha ainda tem que acertar as contas com seu algoz e conseguir mais drogas “para fins puramente científicos”, como ela mesmo diz.  Para conseguir essas duas coisas há muito tiroteio, perseguição e quebra-quebra, o que certamente irá agradar aos fãs de ação.
        Se no inicio estava intrigada, logo fiquei confusa com o desenrolar do filme. A frase “qual a necessidade disso?” passou pela minha cabeça de tempos em tempos durante a exibição de Lucy até que, no final, era só o que eu podia pensar. Qual a necessidade disso? Até agora eu não sei a resposta.
        Não ajudou também o fato de todos os personagens do filme serem estereótipos sem profundidade, uns interpretados com competência, outros nem tanto. Descobri que esse tipo de personagem meio frio, desumano, é perfeito para a Scarlett Johansson por que atuar de verdade não é seu forte. Lucy, no entanto, parece ter sido criada com ela em mente e isso rende um resultado muito bom.
        Eu sei que alguns de vocês podem ter lido outras reviews desse filme e estão agora pensando que eu não entendo nada do assunto: afinal, há vários elogios para Lucy, não pela relevância, mas por ser um bom entretenimento. O que posso dizer? Para mim, nem como entretenimento serviu – considero os R$9,50 que paguei na sessão, um dinheiro mal gasto.
DEVOLVA MEUS R$9,50!
        Achei o filme tão fraco que nem ficar brava com isso eu consegui, tudo o que tenho é uma sensação de ter perdido meu tempo em uma coisa que não valeu a pena. Talvez eu não seja o publico da história, não sou muito fã de ficção cientifica, principalmente quando essa se inicia sob uma “aparência de normalidade”.
        Ou talvez o filme seja ruim mesmo e eu só tive coragem de apontar o fato. Nota 6 não gostei e não recomendo.



"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica

1 comentários:

Write comentários
1 de setembro de 2015 09:38 delete

Um filme que está na lista dos meus filmes favoritos. Um filme de ação que eu recomendo. Agora que é uma estreia na HBO disponível, eu acho que é uma boa oportunidade pra ver e se deliciar com a história.

Reply
avatar


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!