Filme: O Hobbit - Uma jornada inesperada (resenha/review)

sexta-feira, janeiro 04, 2013 1 Comments A+ a-

         

            Nove anos após o lançamento do ultimo filme da Trilogia "O senhor dos anéis" surge um novo filme abordando o universo criado por J.R.R.Tolkien. Essa seria uma nova trilogia, que contará a história narrada por Tolkien no livro "O Hobbit", uma história que ocorreu 60 anos antes dos acontecimentos de "O senhor dos anéis", tendo como protagonista o tio de Frodo, Bilbo Bolseiro. 
            A minha primeira reação quando fiquei sabendo dessa adaptação foi felicidade seguida por certa preocupação. Afinal, um livro de 310 páginas ser transformado em uma trilogia é garantia de inúmeras "licenças" no roteiro,o que talvez prejudicasse a qualidade do filme. Mesmo assim resolvi assistir - vi a Trilogia dos Senhor dos Anéis no cinema e quis matar a saudade de assistir Tolkien na telona. 
             Nas primeiras cenas vemos a toca  casa de Bilbo bolseiro e o personagem, já com certa idade, escrevendo suas memórias. Gostei muito dessa parte pois os roteiristas mantiveram o começo do livro, utilizando a frase já celebre entre os fãs da saga "Numa toca no chão vivia um hobbit" como começo da narrativa no filme também. 
Nesse momento, em que Bilbo está escrevendo, entra Frodo e percebemos que esses momentos de reflexão acontecem antes da festa de aniversário de Bilbo - Para quem não se lembra, 'Os senhor dos Anéis' começa durante a própria festa.  Essa é outra coisa que gostei do roteiro, mesmo que não haja tal sincronicidade nos livros. 

              Bilbo senta-se em um banco em frente a sua casa e começa a se recordar de sua aventura, 60 anos atrás quando, sem nem saber como, Bilbo se viu hospedando uma dúzia de anões que, por sugestão de Gandalf, o convidaram para ser o "ladrão" deles nessa aventura. 
Com 'ladrão' eles querem dizer que Bilbo fará todas as tarefas difíceis e arriscadas, entre elas entrar no antigo castelo dos anões onde, agora, vive o perigoso dragão Smaug. Bilbo, como todo Hobbit, não se sente muito inclinado a aceitar mas, sem pensar muito no assunto, acaba embarcando nessa aventura e viajando com os anões. 
              Tive, no filme, o mesmo problema que ao ler a história: Não consegui diferenciar os anões um dos outros, tampouco decorar seus nomes.  Podem me chamar de lenta mas os nomes são muito parecidos! O único anão cujo nome e feições me recordo mais claramente é Torin Escudo de Carvalho, por que ele é um dos protagonistas da história. Quanto aos outros... 


Apesar de ser uma história sobre anões, o filme também tem Elfos, orcs, trolls... 
               Enfim, o filme narra a história até o momento em que Bilbo encontra o anel naquela caverna e faz o "jogo de adivinhações" com Smeagól / Gollum. Essa, diga de passagem, foi uma das melhores cenas do filme e já fez com que valesse a pena ter ido assisti-lo no cinema. 

              O problema é que, antes desse "desfecho" muuuita coisa acontece, a maioria pouco relevante para o desenvolvimento do enredo. Sim, as cenas "extras" são divertidas há ação o suficiente no filme mas fiquei com aquela sensação de roteiro arrastado: Mesmo que muita coisa acontecendo, percebi que eles não estavam chegando a lugar nenhum com aquela história de gigantes de pedra e orcs albinos. Quanto ao necromante, fiquei na dúvida, mas não me recordo de nada assim no livro. 
Smeagól - Gollum               Mesmo com esses pesares que citei no paragrafo anterior, seria hipocrisia da minha parte dizer que não gostei do filme ou que não irei assistir aos próximos. Peter Jackson pode não ganhar estatuetas douradas pela sua direção nesse filme mas conseguiu, novamente, trazer todo aquele universo criado por Tolkien para as telonas, algo que poucos diretores teriam conseguido. Gostei muito da fotografia, ambientação e de todos aqueles detalhezinhos que compõe um bom filme. 
             
             Recomendo para quem já estava com saudade da Terra Média - nota 7,5 - um bom filme, mas tirei meio ponto por esse roteiro meio enrolado que quase me desanimou. 

P.S.: Muito se fala da nova tecnologia com que foi rodado o filme, HFR (High Frame Rate - que rota mais frames por segundo, deixando as imagens mais realistas). Sinceramente não vi muita diferença - apenas quando tentei perceber algo é que senti que algumas cenas pareciam aquelas de televisão, bem mais nítidas do que as que se vê normalmente no cinema. Também não vi o filme em 3D, não sei se isso faz alguma diferença. 
P.S.²: Não acredito que escrevi a resenha inteira sem falar do Gandalf! Ian MacKellen continua perfeito no papel e torço para que ele ainda viva muitos anos para nos presentear com essa atuação tão perfeita de Gandalf, o branco o cinzento. 
P.S.³: Assisti "O hobbit" dublado - não tinha legendado na cidade onde moro. Se puderem, não cometam o mesmo erro. 


Gosta das histórias de Tolkien? Pretende assistir "O hobbit" nos cinemas? Comente! 

"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica

1 comentários:

Write comentários
Babi Lorentz
AUTHOR
5 de janeiro de 2013 09:28 delete

Não curto Tolkien, por isso não tenho vontade de assistir o filme. Tentei com Senhor dos Anéis e parei logo nos 15 minutos iniciais de filme. Não funciona pra mim.
Beijos.

Reply
avatar


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!