Filme: Intruders (2011) - resenha/ review

sexta-feira, maio 04, 2012 0 Comments A+ a-


        Juan, um garoto de 7 anos, está prestes a ir dormir. Sua mãe, que estava brincando com o filho antes de levá-lo para a cama, faz o alerta "Nada de sonhar com monstros essa noite". Mas dessa vez Juan tem certeza de que não é um sonho: O ser que o persegue e tenta levá-lo é muito real. 
        Mia, de 12 anos, encontra um misterioso manuscrito e o lê para seus colegas de escola. Isso dá origem a uma série de situações assustadoras, a qual ela não esperava.
        Ambas as crianças parecem estar sendo atacadas pelo mesmo monstro e a história se desenvolve alternando a narrativa entre Juan e Mia. O filme, que estreou nos E.U.A. em março desse ano, mas pelo o que eu andei lendo, ainda não saiu por aqui. 
       
         Não vou dizer que foi a história que me intrigou, ou o diretor, ou até mesmo o trailer (link no final do post). Sinceramente, o que me fez querer assistir Intruders foi o Clive Owen. Não sou fã do ator mas gosto dele desde que assisti Closer e esse foi o único motivo que me fez me dar uma chance para esse filme, a principio. 
       Como eu disse no inicio do post, a história vai alternando entre essas duas crianças, completamente distantes uma da outra e que não parecem ter nada em comum, só o fato de um 'monstro sem rosto' atormentá-las durante o sono. Clive Owen entra na história interpretando o pai de Mia que, após testemunhar um acidente nos prédios em que trabalha, também passa a ver o "monstro" que a filha tanto teme. 




        Tenho que elogiar a maneira como o enredo é conduzido e até mesmo a direção. A maneira como Juan Carlos Fresnadillo conduziu a trama pode até não ser digna de premiações mas foi eficiente: O clima de suspense e mistério é palpável durante toda a história, e o jogo de sombras usado nas cenas com o vilão foi uma jogada muito inteligente. Afinal, um vilão que é completamente revelado perde um pouco da graça - e grande parte do medo que atribuímos a ele. 
         Falando no roteiro, senti como se estivesse assistindo um conto de fadas, por conta de algumas situações narradas; o fato do monstro voltar noite após noite até o clímax foi uma delas. Como em todo conto de fadas, as crianças são o centro e o foco principal, cabe aos adultos apenas atuações secundárias. O personagem de Clive Owen, por exemplo, é como o caçador de Chapeuzinho Vermelho: Pode até chegar e salvar o dia mas sabemos que ele não é o personagem central. 


          Quanto ao final, nele tudo é revelado. E é ai que entra outro dos pontos altos do filme pois não percebi a enormidade daquele mistério até o final. Me surpreendeu realmente e acho que foi por que eu esperava algo apenas sobrenatural. Mas não é que, aos 45 do segundo tempo, a realidade entra no meio do conto de fadas? 
           Recomendo se você gosta de um bom suspense, com alguns aspectos sobrenaturais e outros não. Se você quiser um filme de terror ou que dê um medo absurdo, não veja Intruders (Experimente Insidious). É como um colega meu comentou, o figurino do vilão parece um pouco artificial demais, então não é como se você fosse assistir ao filme para dar gritos e mais gritos. 


            Assista pela história que é muito boa e bem escrita, apesar de me deixar com algumas dúvidas no final (eu sempre tenho uma dúvida ou outra em filmes assim). E, depois que assistir tudo, verá que até mesmo o figurino tosco do vilão faz sentido dentro daquele contexto.


           Nota 7,5 - o filme é bom mas tirei meio ponto pelos pontos de interrogação do final e por que não dá tando medo (se o filme é vendido como 'terror' tem que dar medo, oras). 
          
Você assistiria ao filme? O que achou? Comente! 

        

"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!