|FILME| Sniper Americano (Resenha / Review) #Oscar2015

segunda-feira, março 02, 2015 1 Comments A+ a-



    Chris Kyle é apenas um cowboy texano tipico, vivendo de rodeio em rodeio. É quando ocorre um atentado a uma embaixada americana e Chris e seu irmão veem isso na tv que sua vida muda: Chris se alista ao exercito e entra para os SEALs uma divisão da elite norte-americana.
     Ao mesmo tempo em que faz seu treinamento para se tornar um sniper (aqueles atiradores que ficam em um canto escondidos, fazendo a proteção dos soldados) Chris também conhece e se relaciona com Taya, que no começo parece não confiar muito em militares (pela fama de galinhas etc.) mas que pouco a pouco acaba se apaixonando pelo soldado. Juntos eles vêem quando as torres gêmeas são atingidas pelos aviões e, no dia em que se casam, Kyle descobre que vai servir no Afeganistão (ou Iraque?)
      O filme é baseado em uma história real. Chris Kyle é o soldado que mais matou na história do exército americano - mais de 150 pessoas - e é considerado um herói americano. Seu nome esteve recentemente associado a um julgamento, por isso, se você vê as noticias policiais você provavelmente acabou pegando um "spoiler" do filme. Eu particularmente peguei esse 'spoiler' na entrada do cinema e nem me importei muito, mas não vou citar aqui, fiquem tranquilos. 
      Assisti esse filme depois da premiação do Oscar, quando já sabia que, das 6 indicações ao Oscar, Sniper só levou 'melhor edição de som'. Esperava uma história polêmica por já conhecer o 'feito' do personagem e ter lido uma crítica que chamava Chris de 'assassino' impiedoso e o filme de uma propaganda pró-guerra. Logo, esperava ter alguns desses sentimentos durante o filme mas, embora as atitudes de Kyle sejam bem polêmicas, não tive esse sentimento.
     Desde a primeira cena, em que Chris tem que decidir se atira ou não em mãe e filho iraquianos, que estão segurando uma bomba em direção a seus colegas - e acaba atirando - somos levados ao passado e a história desse atirador, como e o que fez com que ele chegasse até aquele momento. A missa com os pais, o discurso do pai (super conservador) de que existem ovelhas, lobos e cães de caça no mundo - ovelhas são caçadas, lobos caçam e cães de caça protegem as ovelhas - e que de que não ia aceitar ovelhas ou lobos em sua casa, percebemos de onde Kyle tirou seu impulso de proteger e ajudar os outros. 
       Grande parte do filme se passa nesses anos em que o personagem do titulo lutou na guerra então é bom se preparar para cenas tensas e fortes, capaz de incomodar os mais sensíveis. Mas, ao mesmo tempo em que mostra Chris Kyle fazendo coisas altamente reprováveis - como matar aquela mãe e o filho - também mostra seus motivos e esses motivos, proteger os seus companheiros, me parece altamente justificável num contexto de guerra. Claro que na guerra não seria tão fácil ter certeza de que o inimigo porta mesmo uma granada ou se é só um exemplar do Corão, mas o filme não trabalha muito com essa dúvida - Kyle até chega a pedir a confirmação pelo rádio mas depois de ouvir a recusa em confirmar (ou não) o que estava vendo, percebe que tem de agir sozinho
       Sniper Americano é um filme altamente patriótico, mesmo para quem não é americano. Fala sobre o dever, sobre lutar pelo seu país e pelos seus amigos e sobre fazer a coisa certa - mesmo que isso acabe te destruindo por dentro. O Kyle que volta do Iraque não é o mesmo mas nem por isso deixa de pensar em voltar, mesmo que isso signifique não acompanhar o crescimento dos filhos. Esse conflito entre família x dever atinge o auge na quarta rotação de Kyle e tem seu ápice numa das melhores cenas do filme - tanto pela carga dramática quanto pelo nível de tensão e ação. A 'cena da tempestade de areia' é incrível e deixa o expectador angustiado e apreensivo, torcendo para que tudo dê certo e, ao mesmo tempo, temendo que Kyle não vai conseguir daquela vez. 
         O final, pelo contrário, é uma nota simples e melancólica. Com cenas reais e aquela música de partir o coração, confesso que lágrimas caíram quase sem que eu percebesse. Acho que foi o filme que mais me emocionou, de todos os do Oscar que assisti, uma história real de um patriota que foi reconhecido pelos seus da mesma forma. A parte mais irônica do filme é que Kyle foi para o Iraque lutar contra um inimigo externo mas não se atentou que existem inimigos em toda parte.
           Ok, estou quase soltando um spoiler, vou parar por aqui. Recomendo para os que gostam de filmes sobre heróis e sobre guerras - para aqueles que não se importam de ver sangue e violência, desde que dentro de um contexto mais importante. 
             Nota 9 - um filme muito bom



P.S.: Se você for um policial, ou conhecer algum militar, por favor indique esse filme. 
P.S.2: Ainda querendo entender por que Clint Eastwood preferiu usar uma boneca para representar a filha de Kyle quado bebê. 



"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica

1 comentários:

Write comentários
3 de agosto de 2015 09:48 delete

Se nos concentrarmos na principal Sniper caráter, é excelente. Mas eu gostaria de destacar o desempenho do ator Eric Ladin, que comumente vemos nos filmes de terror, fazendo outros personagens. Ela certamente teve um grande papel a ser admirado.

Reply
avatar


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!