Resenha: Toda Sua - Sylvia Day

segunda-feira, dezembro 17, 2012 0 Comments A+ a-

        

            Eva Tramell acabou de se mudar para Nova York e está simplesmente encantada com a cidade e seu ritmo acelerado. Ela vive com seu amigo, Cary Taylor e está prestes a começar em um novo emprego numa agência de Publicidade. 
            Tudo isso perde o brilho e a importância quando, na entrada de seu novo trabalho, ela se esbarra com o homem mais lindo que viu na vida. Moreno, alto, de olhos azuis, aparência perigosa e ao mesmo tempo sexy... Gideon Cross surge na vida de Eva "como um relâmpago na escuridão", nas palavras da própria mocinha e a partir daí sua vida muda completamente. 

           A primeira coisa que me fez comprar esse livro foram as críticas positivas que li em alguns blogs e o fato de ser um romance adulto, gênero literário que está entre meus favoritos. Comprei assim que lançou mas um motivo me fez relutar muito antes de começar a lê-lo: A eterna comparação feita entre a Trilogia Crossfire, a qual pertence esse livro, e a Trilogia 50 tons de cinza . Meu receio era que essa série fosse apenas uma cópia barata da outra mais famosa, por isso a relutância em lê-lo. 
           Nas primeiras páginas a similaridade entre as duas trilogias é mais evidente. Eva é uma jovem de vinte e poucos anos, em uma cidade nova, que conhece um bilionário poderoso e simplesmente irresistível. Esse homem está interessado na mocinha por motivos inteiramente físicos e lhe diz isso logo nos primeiros encontros. Mesmo assim ela se envolve e se apaixona... Além disso Gideon também tem um passado oculto que moldou sua forma de encarar os relacionamentos. 
           Mas, depois que ela resolve se envolver com o bonitão, a história toma rumos um tanto diferentes dos de 50 tons de cinza. É que Gideon desenvolve uma obsessão por Eva, logo após seu primeiro encontro e passa a querer um relacionamento sério, tornando-se, inclusive, incrivelmente possessivo. 
            O diferencial está na abordagem mais realista da autora, principalmente com relação aos traumas dos personagens. Embora o casal principal seja apaixonado um pelo outro, ambos ainda não sabem como conduzir um relacionamento e tentam se livrar de seus traumas para ficarem juntos. A impressão que tive é que os próximos livros serão focados nisso, no casal tentando se ajustar para ficar junto. 
            Sobre os personagens, Eva é uma mulher moderna que, assim como Gideon, tem um passado sombrio, repleto de abusos. Porém a mocinha procurou ajuda e hoje é uma pessoa mais equilibrada, enquanto o mocinho agiu a vida toda como se não tivesse problema nenhum. Embora nem sempre o consiga, Eva prefere desabafar e resolver seus conflitos de maneira madura, enquanto Gideon age como se não tivesse problema algum, só procurando "ajuda" quando percebe que pode perder a mocinha. 
              Há alguns personagens secundários, como Cary, o amigo bissexual e problemático de Eva, Mark, o bem humorado chefe da mocinha e Magdalene, suposta rival de Eva pela afeição de Gideon. Mas a história gira mesmo em torno do casal: Vemos que, embora algumas pessoas não estejam felizes com o relacionamento de Gideon e Eva, o principal inimigo do casal são eles próprios e suas inseguranças

               A autora desenvolve uma escrita em primeira pessoa, um estilo de narrativa a que já me acostumei, embora não seja meu favorito. Sylvia Day escreve de maneira mais direta e utiliza de bastante palavrões no texto, mas eu gostei da identidade que ela deu a história e da maneira como 'Toda Sua' foi conduzida, com o casal passando por uma série de altos e baixos. Mesmo tendo apenas 294 páginas, é um livro em que várias coisas acontecem, sem que isso pareça corrido. É como se estivesse lendo um folhetim, ou uma novela, impressão que é reforçada pelo final um tanto solto colocado pela autora. 
              Se você quer ler 'Toda Sua' esperando cenas sadomasoquistas, à lá 50 tons de cinza, vai acabar se decepcionando. Embora seja um livro hot, com um clima sexual presente em todas as páginas, Gideon não é um sádico e nem Eva uma masoquista. Mas há algumas cenas mais exibicionistas e  uma situação de dominação e submissão no relacionamento sexual de ambos que agradará os que curtem esse tipo de temática em romances Adultos. 
               Embora tenha gostado do livro, achei o relacionamento de Eva e Gideon um tanto obsessivo demais, de ambos os lados. Os dois parecem consumidos um pelo o outro, de uma maneira não muito saúdavel: Para se ter uma ideia, tem uma cena em que Gideon revela ter uma espécie de altar em seu escritório com diversas fotos da amada penduradas em sua parede com uma iluminação particular. Ao invés de surtar - afinal fazia pouco mais de duas semanas que eles se conheciam e o mocinho já se mostrava um voyeur obsessivo -  Eva fica feliz quando descobre (ri nessa cena, de tão absurdo que achei). 
             Entendo que essa paixão fulminante e incontrolável seja característica do gênero Adulto mas essas coisas me convencem mais quando se tratam de seres fantásticos - sejam vampiros, carpátos ou demônios . Quando os personagens são seres humanos tudo fica meio forçado e maluco para mim e essa não é a primeira história em que sinto essa sensação. 
              Indico a série Crossfire como mais uma opção de romance adulto. Não me sinto particularmente motivada a comprar o próximo livro em um futuro imediato, mas é uma trilogia que pretendo acompanhar. Minha nota é 8 - um bom entretenimento. 

"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!