Resenha: Cinquenta Tons de Cinza - E.L. James

sexta-feira, agosto 24, 2012 8 Comments A+ a-





Sem spoiler

            
           
Uma jovem inocente. Um homem sedutor, misterioso, fascinante e extremamente belo. Um triângulo amoroso (Ou não, já que a mocinha só tem olhos para o mocinho e o ‘terceiro’ é apenas um bom amigo). Isso tudo parece familiar?

            Escrito e divulgado online como uma FanFic de Crepúsculo, 50 Tons de Cinza teve seus direitos comprados por uma editora americana e se tornou um sucesso editorial. Mas antes tiveram que mudar o nome dos personagens: Edward Cullen agora é Christian Grey, Isabella “Bella” Swan se torna Anastásia “Ana” Steele, Jacob é José... E assim sucessivamente.
            Confesso que me interessei por esse livro apenas por essa familiaridade com a série da Stephenie Meyer, queria saber como seria essa tal “versão erótica” de Crepúsculo.  Além disso o sucesso editorial de “50 tons” também me impressionou: O livro já foi traduzido para as mais diversas línguas, é o livro mais vendido na história da Inglaterra (31 milhões) e no mês de julho representou 75% das vendas de ‘Ficção Adulta’ nos Estados Unidos.
            É importante falar de números quando se trata desse livro, pois, com números tão expressivos, também vem a expectativa. Por que é tão vendido? Por que fez tanto sucesso? Comprei na Bienal do livro e comecei minha leitura assim que retornei da viagem.

            Passando para o enredo, o livro conta a história de Anastasia e sua atração instantânea e irremediável pelo empresário Christian Grey. Ana deseja aquele homem maravilhoso e ele também parece encantado com ela, porém, Christian quer Ana em seus próprios termos.
            Depois de fazê-la assinar um contrato de confidencialidade, para que nada do que ele disser caia na mídia, Christian se revela como um Dom, ou dominador sexual, e oferece a Anastasia outro contrato para que ela seja sua submissa.
            Pense em chicotes, algemas e roupas de couro tudo que envolva prazer associado à dor. É isso o que Christian propõe a virgem Anastásia, um mundo obscuro e ao mesmo tempo erótico, no qual ela vai se envolvendo cada vez mais, conforme a história vai se desenvolvendo.

            Christian é um personagem instável, controlador e praticamente atua na vida de Anastasia como um stalker perseguindo sua presa. Ao longo do livro ele faz referências sobre se consultar com um psiquiatra, mas tenho as minhas dúvidas se esse homem recebe mesmo algum tipo de ajuda. Na verdade é como se Christian estivesse além de qualquer salvação, “fodido em 50 tons diferentes”, como ele próprio diz.
            Porém esse homem complicado também tem um lado bem humorado, é lindo de morrer e possui um passado sombrio, que “justifica” seu comportamento presente. E, como uma presa fascinada pelo predador, Anastasia fica fascinada por ele. Eu também fiquei, por isso entendo a heroína.

com chicotinho, claro

            Narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista de Ana, o livro tem pouca ou nenhuma ação, se limitando aos pensamentos românticos da mocinha, sua troca de emails com Grey e várias cenas de sexo, das mais diversas maneiras e nas mais diversas, situações.
            É bom relembrar que, embora tenha vários elementos de umYABook, se trata de um romance adulto. Isso significa bastantes cenas eróticas, foco principalmente no relacionamento do herói e da heroína da história e palavras de baixo calão/palavrões. Perdi a conta da quantidade de “Puta merda”, “porra” e “foder” que li nesse livro. Deixo isso claro para já desaconselhar à leitura para aqueles que são sensíveis a esse tipo de palavreado e às situações descritas. Não é só o sexo que pode incomodar alguns leitores, mas também a obsessão quase patológica de Christian por ser obedecido e, também, de provocar dor em Anastasia. Obviamente tudo é consensual, mas só leia se tiver estômago para BDSM*.
            Analisando o livro friamente, tenho que concordar com os críticos, pelo menos no que se refere a escrita da autora. E.L. James não escreve bem, utiliza em excesso algumas palavras/expressões e parece perdida em algumas partes do livro. Senti falta de uma linha condutora que fosse além do “misterioso passado de Christian Grey”, mas o livro se resume basicamente a isso.
"Isso não tem nada a ver com a cor cinza. Isso é pornografia"
            Claro, a também a profusão de situações sexuais no livro. Fico imaginando o que raios vão fazer na adaptação cinematográfica para que não fique parecendo forçado ou promiscuo. Acho que, mais do que um ator certo ou atriz, o filme precisará de um bom diretor, se quiser ser além de um ‘erotismo barato’ e tentar contextualizar as cenas com a situação emocional de Christian, além de mostrar as implicações de algumas dessas cenas no relacionamento do casal.
            Voltando ao livro, apesar de parecer repetitivo em alguns momentos, eu li esse livro em 2 dias. Tudo por que a autora tem esse hábito de terminar cada capítulo com um gancho, de forma que o leitor se sinta compelido a ler o próximo. Não entendo muito de Fics, mas, se eu não me engano, o autor divulga 1 capitulo por vez e o pessoal vai lendo e comentando o que acha. Imagino que seja esse o motivo dos “ganchos” e da profusão de cenas romântico-sexuais (quase uma por capitulo mesmo) por que eu ouvi dizer que a autora não fez nenhuma adaptação antes de publicar o livro, apenas trocou os nomes dos personagens.
            O que me faz lembrar da obsessão de alguns de rotularem “50 tons” como um cópia de Crepúsculo. No começo vi mais relação entre as histórias, alguns diálogos de Ana e Christian me lembraram outros de Bella e Edward e as cenas em que Christian salva Ana (primeiro de um atropelamento e depois de um homem ‘saidinho’) também foram uma clara referência à Saga da Stephenie Meyer.
            Mas depois a história perde esse ar de fanfic, os personagens passam a tomar rumos completamente diferentes. Se Edward não quer que Bella o toque por que tem medo de se descontrolar e feri-la, Christian não deixa que Ana o toque por causa de seus inúmeros traumas físicos (cicatrizes) e emocionais. Ana, por sua vez, é uma heroína mais corajosa e independente que Bella, não se limitando ao papel de submissa: Ela vai até as sombras de Grey para tentar levá-lo para luz, pois sabe que sem isso jamais poderão ficar juntos.

    É por isso que, quando eu comparo as duas histórias, eu imagino que colocaram “Crepúsculo” em frente a um espelho daqueles de circo, que mostram um reflexo distorcido e um pouco bizarro: Esse reflexo é “50 tons de cinza”. Você vê as semelhanças, mas também vê diferenças tão gritantes que se pergunta se, de fato, uma coisa surgiu a partir da outra.
            Talvez o que ambas as histórias tenham em comum é serem amadas pelo seu publico e detestada pelo restante das pessoas. Já ouvi falarem tão mal desse livro quanto falam de Crepúsculo, uma coisa a qual todo Best-seller está exposto: Ainda não surgiu (e creio que demora um tempo para surgir) um livro que seja sucesso de público e crítica em nosso século. 

            Mas, apesar dos (muitos) pesares, eu gostei desse livro. Dou nota 8 e confesso que estou contanto os dias para o lançamento de “50 tons mais escuros”, pretendo terminar a trilogia e ver como esse relacionamento termina. Só não recomendaria esse livro para alguém que nunca tenha lido nada do gênero romance Adulto, apesar de ser bem fraquinho para o gênero, pode chocar os mais sensíveis (não digam que não avisei).
            Porém também estou um pouco temerosa: Algo me diz que essa saga não irá terminar de uma maneira tão feliz quanto à outra que lhe deu origem. É esperar para ver.

* BDSM: “Sigla” para Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão e Sadomasoquismo. Leia mais sobre o assunto nesse artigo do Wikipédia.


Obs.: Termino de escrever essa resenha e, como sempre faço, só então fui ler as opiniões de outros blogs. Destaco a resenha do Romances in Pink que, além de sintetizar precisamente o livro, também levantou um assunto que não tinha me ocorrido enquanto escrevia: Por que a autora retrata BDSM como uma coisa ruim? Leia a resenha aqui

Veja também a página do livro no Skoob.


Você leu "50 tons de cinza"? Pretende ler? Comente!

"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica

8 comentários

Write comentários
Ingrid Vigel
AUTHOR
24 de agosto de 2012 10:56 delete

Para quem gostou (ou até mesmo para quem não curtiu) do "50" descobri um que atrevo dizer ser bem mais legal: "Redes Sensuais". Achei "Redes" muito mais excitante (e plausível) que o "50". A história reflete isso que acontece todos os dias, isto é, pessoas se encontrando no real e no virtual através the internet. Produto nacional, o livro tem um jeitinho mais "nosso" sem cair no lugar-comum. Porém, sendo Brasileiro não tem tanto destaque na mídia. Encontrei ele no FB, www.facebook.com/redessensuais não sei se existe página do livro na internet...

Reply
avatar
24 de agosto de 2012 18:21 delete

Parabéns pela resenha! Muito em breve pretendo ler Cinquenta Tons de Cinza. Beijos!
www.newsnessa.com

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
27 de outubro de 2012 11:47 delete

Já li 50 tons de cinza e apesar da história ser digamos algo bem adulto, se tornou uma história que prende você aos conflitos por qual a Anastasia passa, estou começando a ler 50 tons mais escuros e gostando bastante

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
30 de dezembro de 2012 14:17 delete

Estou lendo e não consigo parar de ler...já estou ansiosa pelos "50 tons mais escuros" e "50 tons de liberdade"...

Reply
avatar
Deise
AUTHOR
7 de fevereiro de 2013 14:37 delete

Li "50 tons de cinza",e gostei muito!É bem legal q esse "Crepúsculo" erótico deu certo,pois tenho certeza que os livros de Meyer deixaram muito a desejar no quesito pegação;jovens se pegam,é fato!
Comecei a ler "50 tons mais escuros",e só paro na marra;é viciante,assim como a saga romântica de Meyer.



Reply
avatar
Denise
AUTHOR
13 de março de 2013 18:45 delete

Gostei mto do teu texto, bem mais do que do livro, kkkkk. Li metade e estou considerando seriamente abandoná-lo, contrariando meus hábitos de ler qq porcaria até o fim... me embrulha o estômago essa questão de alguém poder se submeter à vontade de outrem assim, sem masi nem menos. Achei a relação nojenta e sem sentido, mas gosto é gosto. As cenas de sexo, só li as de antes do contrato, achei passáveis.
Denise

Reply
avatar
Ney Lima
AUTHOR
22 de março de 2013 08:52 delete

BDSM é condenável porque o sexo foi feito para o amor. Na maioria das vezes o utilizamos (o sexo) apenas para nosso divertimento;isso é ruim. Mas, quando o utilizamos para humilhar ou causar dor a outrem, aí é péssimo!

Reply
avatar
Anônimo
AUTHOR
2 de junho de 2013 08:43 delete

When some one searches for his essential thing,
therefore he/she wishes to be available that in detail, therefore that thing is
maintained over here.

Here is my blog post ... See More

Reply
avatar


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!