|FILME| Trapaça (Resenha / Review) #Oscar2014

sábado, março 01, 2014 0 Comments A+ a-



           Irving Rosenfeld é um trapaceiro de marca maior, que trabalha aplicando golpes de empréstimos em pessoas desesperadas, entre outras atividades igualmente ilícitas. Em uma festa de amigos ele conhece Sidney Prosser, uma ex-stripper, por quem se apaixona perdidamente. Ele conta para ele sobre seu esquema e ambos passam a trabalhar juntos em seu negócio, triplicando a quantidade de dinheiro que Irving havia conseguido até então. 

           Tudo ia bem até que o FBI aparece na porta deles (literalmente). O oficial Richie DiMaso, agente do FBI em ascensão, obriga os dois a trabalhar para conseguir de volta sua liberdade, ajudando-o em um esquema para prender políticos corruptos. Um filme de David O. Russel (O lado bom da vida), Trapaça tem algum fatos que realmente aconteceram, já que a história é inspirada numa operação similar realizada pelo FBI na década de 70.
             Christian Bale dá mais um show de atuação nesse papel. Ele está sensacional como o obeso Irving Rosenfeld, tendo até mesmo engordado para fazer esse papel - mal parece o Batman de outrora. Além disso Bale consegue fazer um personagem que gordo, estranho e de peruca sem ficar muito patético. Ele faz um picareta de marca maior mas, mesmo assim, consegue fazer com que o público torça para que suas armações deem certo. Não é á toa sua indicação ao Oscar, ele rouba a cena e é o principal condutor desse filme. 
"As pessoas acreditam no que querem acreditar".  Irving Rosenfeld 
              Amy Adams também está ótima como a parceira (na vida e no crime) de Irving. Ela e Bradley Cooper - que vive o italiano detetive DiMaso - tiveram atuações muito boas, merecedoras de suas indicações ao Oscar. Porém, não o suficiente para ganhar os prêmios a qual foram indicados, esses dois atores tem feito ótimos filmes nos últimos anos e tem conquistado o meu respeito por sua atuação. 
               No elenco também temos Jennifer Lawrence. Okay, sou fã dela, então tudo o que disser poderá ser considerado puxa-saquismo mas prometo que tentarei ser bem objetiva. No começo achei a personagem dela, Rosalyn, uma versão mais extrovertida da Tiffany de O lado bom da vida. Okay, é surpreendente ver uma menininha tão comportada como Jennifer Lawrence fazendo alguém surtado mas, olha, já premiaram isso no ano passado - pra quê premiar esse ano de novo? 
                Com o passar do filme fui percebendo que Rosalyn tem contornos e características que a fazem algo completamente diferente de Tifanny e requerem uma atuação diferente também. Rosalyn é mais velha, é uma mãe solteira desequilibrada, que bebe muito e está presa em um casamento fracassado. Ela é extrovertida, sedutora e muito confortável em ser quem é (ao contrário de Tifanny). Então, do meio para o final, duas cenas me fizeram perceber que - sim! - Jennifer Lawrence mereceu essa nova indicação ao Oscar! (Uma delas foi essa aqui). 
               Sobre o filme, eu sabia, desde que vi os indicados, que Trapaça seria o filme que eu mais gostaria de assistir. David O. Russel tem se tornado um dos meus diretores favoritos por fazer filmes que conseguem ser complexos e engraçados ao mesmo tempo. Muito embora esse humor seja sutil na maioria das vezes, é um alívio assistir Trapaça depois do pesado e sério 12 anos de escravidão
           Gostei da trama, que vai se complicando com o passar da história mas não deixa de ficar interessante, gostei das atuações, gostei do clima retrô do filme... É um filme que eu indicaria, não só por ser muito bem produzido, dirigido e bem feito, mas também por que é uma boa história para entretenimento. Muito se diz por ai sobre Trapaça não merecer estar concorrendo a melhor filme e, em partes concordo - ele não tem aquele 'algo mais' que faz um filme ser indicado ao Oscar. Mas é um filme único e, a sua maneira, marcante, por isso também acho uma boa indicação - mesmo sendo claro que não se trata de um vencedor.  
                 Sobre esse clima retrô que citei acima, 2 fatores foram fundamentais para que eu me sentisse imersa nos anos 70, um deles o figurino. Todos os personagens tem um estilo pessoal de se vestir, um guarda-roupa que esbanja personalidade, desde os ternos marrons de Irving até os decotões de Sidney (que só Amy Adams consegue usar sem parecer muito vulgar). Mesmo os atores figurantes tiveram um figurino que retratava a época, como podemos ver naquela cena da boate, por exemplo: além da atuação, a combinação de música, figurino e a direção de David O. Russel fizeram desse um ponto marcante de todo o filme, pela fidelidade ao período
                 O segundo fator foi a música. MEU DEUS, o que é essa trilha sonora?! Elton John e BeeGees são apenas algumas pérolas dessa coleção de clássicos dos anos 70. A música é como um catalisador dos momentos chaves do filme e os personagens interagem com ela, cantando ou dançando, em várias cenas. Confesso que, para entrar no clima, estou ouvindo essa trilha enquanto escrevo a review  do filme (e me divertindo muito no processo)
                  É um filme que recomendo para quem gosta de boas histórias e tramas envolventes e interessantes. Se você gosta de enredos com algumas reviravoltas interessantes assista Trapaça. Não é particularmente dramático ou surpreendente mas é um filme muito bom - nota 9.

|TRAILER|

Trapaça concorre ao Oscar nas categorias: melhor filme, melhor direção, melhor ator (Christian Bale), melhor atriz (Amy Adams), melhor ator e atriz coadjuvante (Bradley Cooper e Jennifer Lawrence), melhor roteiro original, melhor figurino, melhor edição e melhor desenho de produção.

P.S.: Falei de Louis CK na review de 12 anos de escravidão e adivinhem quem faz uma pontinha em Trapaça? 

        

"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!