Paixão Inesperada - Lori Foster (Resenha)

segunda-feira, dezembro 19, 2011 2 Comments A+ a-


            Ray é uma mercenária tão durona quanto qualquer homem. Quando Eli a contrata para ajudar a resgatar seu irmão, preso na América Central, ela reage com pessimismo a ideia de o contratante deseja ir junto. Para Ray, Eli não passa de um riquinho mimado, assim como o irmão dele, preso entre guerrilheiros.
Mas o tempo que passam juntos nas selvas da América Central os aproxima e eles acabam cedendo a tentação de ficarem juntos, mesmo em ambiente tão hostil.  A questão é se esse relacionamento entre eles terá algum futuro depois que a missão terminar.
“Paixão Inesperada” é o tipo de livro que eu geralmente nem daria muita bola, não fosse pela autora. Essas histórias que se passam na maior parte do tempo em território hostil, seja floresta, ou deserto ou o que mais, nunca fizeram parte da minha lista de “motes preferidos” para romances.
Mas é da Lori Foster e, como geralmente gosto dos livros dessa autora dei uma chance. E não me decepcionei nenhum pouco.
Esse é um típico romance da autora, o mocinho é alto, forte e mandão (apesar de gentil) e a mocinha bate de frente com ele, mas acaba cedendo uma vez ou outra.

No caso de “Paixão Inesperada” isso foi ainda mais interessante de acompanhar, por que Ray é uma mocinha durona e independente. Quando disse que Ray era mercenária não estava exagerado: A mocinha desse livro sabe lutar e atirar melhor do que qualquer homem.
Só que o que ela não esperava era encontrar um homem não só mais alto que ela como também melhor do que ela (pelo menos no quesito luta). Eli é um grandalhão um pouco arrogante mas que impressiona Ray, não só pelo físico maravilhoso mas pela maneira como a respeita, não a subestimando só por ser mulher.

As cenas do livro são tão hots quanto os outros livros da Lori Foster que já li e, apesar do que essa sinopse meia-boca que eu fiz no começo possa deixar subentendido, eles saem daquela floresta no final das contas – e exploram outros ambientes.
Na verdade é quando o livro fica mais interessante, quando eles saem da mata Ray mostra um lado mais humano que, durante a missão, não quisera mostrar. É quando o relacionamento entre ela e Eli fica mais “normal” e romântico e as diferenças no estilo de vida dos dois são acertadas.

Com o papel de “vilão FDP” há o irmão de Eli, um idiota do qual nem lembro o nome. Seria melhor que tivessem deixado aquela garoto na mata por que vai ser metido a besta assim lá longe... No final ele é retratado como uma vítima da criação mimada que recebeu mas não sei se gosto dele.

Indico esse livro para quem gosta de romances intensos, com personagens meio estereotipados mas que nos fazem “curtir” a historia do começo ao fim. Nota 9um livro muito bom no que se propôs a fazer (entreter com uma história romântica). 




E você: O que acha desses romances que se passam em territórios hostis (ilhas desertas, florestas, desertos etc...)? Leria esse? Comente!


"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica

2 comentários

Write comentários
Nana
AUTHOR
19 de dezembro de 2011 13:54 delete

Oii
Ah Lori, já ta na lista. Adoro os livros dela.
Nossa romance na mata hahaha

Já li alguns livros mais 'hots' que o dela, então veremos esse. Assim que a estante desocupar um pouco haha

Acho que daquela lista de filmes, Os Muppets também foi o que mais me interessou

beijos
Nana - Obsession Valley

Reply
avatar
Caue1507
AUTHOR
20 de dezembro de 2011 16:31 delete

acho q não leria esse livro.. não faz mto meu estilo, eu gosto de romances mas não desse jeito, prefiro os mais normaizinhos ou sobrenaturais mas sem sem uma coisa tão crepusculo, como as séries de calafrio e beautiful creatures^^'

--
hangover at 16

Reply
avatar


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!