|FILME| O Agente da U.N.C.L.E. (Resenha / Review)

sexta-feira, setembro 11, 2015 0 Comments A+ a-


   Imagine que na década de 60, em plena guerra fria, um espião da CIA (E.U.A.) e outro da KGB (U.R.S.S.) são obrigados a trabalhar em equipe para combater um inimigo que ameaça os dois países. Essa é a história de "O Agente da U.N.C.L.E" (The Man from U.N.C.L.E.), filme lançado no ano de 2015, cuja história é inspirada numa série de TV homônima, exibida durante a década de 60.  
   O filme é estrelado por Henry Cavill, que vive o agente da CIA Napoleon Solo, e Armie Hammer, interpretando o agente da KGB, Illya Kuryakin. Além disso, também entre os protagonistas, temos Alicia Vikander, que interpreta Gaby Teller, uma alemã que foi recrutada para ajudar os dois personagens principais, já que seu tio está agora trabalhando para uma empresa X com o objetivo de criar uma bomba atômica de hidrogênio. 
   Pense numa história com uma atmosfera e personagens atraentes e interessantes, com diálogos rápidos e cenas de ação com um leve toque de humor. Tudo isso com uma história meio clichezinha mas que contém os principais elementos e reviravoltas de uma cena de espionagem, tudo isso com uma trilha sonora encantadora. Pensando nisso, você terá uma boa ideia do que é "O Agente da UNCLE". 
   Agora que você leu o paragrafo acima, se gosta do gênero, certamente está pensando em ver esse filme. Afinal, com tantos elementos dignos de elogio não tem como um filme desse dar errado, certo? Errado. Porque o diretor desse filme é ninguém menos que Guy Ritchie. 
   Se você não sabe quem é Guy Ritchie, sorte sua. Esse sujeito que deveria ser lembrado apenas como "o ex-marido da Madonna", infelizmente também é diretor, produtor e roteirista. E, infelizmente, atua em "O agente da UNCLE" nessas 3 vias. 
   Já assisti a uns 4 ou 5 filmes desse autor e em todos ele demonstrou o mesmo problema: pegar uma história que tem sido para ser boa, colocar algumas cenas e momentos muito bons e transformar o conjunto total numa porcaria irregular. Até hoje não me lembro de um único filme de Ritchie que tenha assistido em que eu não tenha tido a sensação de que a história teria sido muito melhor sem ele e no qual eu não tenha cochilado por alguns minutos, porque a história de repente ficou chata.
   O Agente da U.N.C.L.E. não foi exceção. Começou tudo muito bem e, até a primeira hora ou assim, tinha tudo para ser um sucesso. A cena em que Solo e Kuryakin invadem o QG do inimigo é divertida e engraçada e um dos pontos altos da história... é uma pena que a partir daí a história comece a capengar, perder a agilidade e (até mesmo) o sentido. Num clássico "efeito Guy Ritchie" começam os diálogos e cenas afetadas e maçantes, parecendo que o roteirista quer incrementar uma história que não precisa ser incrementada. 
Pouco antes do filme flopar
   Confesso que cochilei em uma ou duas cenas de ação mas nada tão longo que tenha perdido algo ou que me impeça de dizer que "O Agente da U.N.C.L.E." é mais uma decepção com Guy Ritchie. Para ser justa com o diretor, acho sim que este tem talento, mas que seria melhor se dirigisse video-clipes ou curta metragens, que tem menor tempo de duração - assim ele pode exercitar toda a sua via criativa nas cenas de ação, fazer todas as suas "gracinhas" de diretor e ninguém vai perder um tempo muito grande da vida assistindo. 
   Enfim, recomendo se você gosta do Guy Ritchie ou se quiser arriscar e conferir tudo o que o filme tem de positivo (apesar do diretor/produtor/roteirista).  Não fosse por esse pequeno detalhe teríamos um filme de espião com o charme antigo, extremamente charmoso e divertido. 
   Nota 7 - um bom filme se Guy Ritchie não estivesse nele. 

P.S.: Se você acha que peguei pesado é porque nunca viu um filme desse cara. 
P.S.2: Hugh Grant também está nesse filme, mostrando que a idade chega para todos nós.

"My work always tried to unite the true with the beautiful; but when I had to choose one or the other, I usually chose the beautiful." -- Hermann Weyl Miss Carbono que é o numero 6 na tabela periodica


Olá, seja bem-vindo!

Pode falar o que quiser do filme, livro ou texto - só peço que tome cuidado para não ofender os outros leitores do blog. Nada contra palavrões mas também não vamos exagerar, ok?

Obrigada!